quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Boas Festas

Na altura de Natal não pude vir aqui publicar nada, por isso, espero que o Natal tenha sido bom, e votos para um 2010 melhor que 2009.
Os votos de felicidades pa 2010.
Obrigado

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Estaline de Regresso

Ontem estava a ver televisão e tive a oportunidade de ver um documentário intitulado "O regresso de Estaline", produzido pela BBC, canal britânico. Este documentário tinha como objectivo fazer uma retroespectiva pela ex-União Soviética e tentar saber e entender o que os actuais habitantes dessas zonas, achavam de José Estaline, "Herói ou Vilão"?
Ao longo do documentário fomos percebendo que muitos dos camponeses que sofreram com a tirania de Estaline já morreram ou estão já no final da vida, e é estranho ver entre os jovens uma admiração a Estaline, visto desconhecerem em grande parte a sua acção. Na sua terra natal Gori, na Georgia um dos poucos sítios onde mantiveram uma estátua do ditador, onde a população se recusa a que seja retirada, devido a admiração que nutrem pelo mesmo.
Mesmo no seio da própria Rússia as pessoas não reconhecem em grande parte o crime de Estaline. Foi preciso ir até aos campos, longe dos centros urbanos para ver realmente a memória das pessoas, as que sofreram com Estaline, esses aí não negavam os crimes por ele cometidos.
Para grande surpresa as declarações de Vladimir Putin, a defender o ensino de uma História Positiva, ou seja omitir factos menos positivos da história russa.
Resumindo algo que nao se deve fazer pois a história deve ser apresentada tal como aconteceu seja boa ou má, para não se repetirem ou erros do passado.
Já na parte final o realizador foi entrevistar o autor do livro de história positiva e o da história normal. O autor do livro de história normal defendia exactamente que a história deve ser apresentada como aconteceu seja boa ou má.
Contudo o autor da história positiva revelava falta de argumentos para a pouca importância dada assuntos como a Grande Fome, aliança soviético-germânica e o terror, o seu próprio descurso inicial era um discurso que acabava por contradizer o livro em si.
Sendo assim apenas lamento a atitude de Putin em querer "limpar" a história, enquanto devia educar as crianças de forma a não cometerem os mesmo erros, porque factos são factos, e nada os pode mudar, mas a maneira como são apresentados ou escondidos pode afectar e muito o futuro.
O documentário ainda focava alguns pontos sem dúvida interessantes, mas talvez noutra publicação.